Audiência Pública na Câmara de Vereadores discute realidade das escolas de Caicó

Uma audiência pública realizada nesta terça-feira (06) discutiu a situação das escolas de Caicó, diante da pandemia da COVID-19. O objetivo foi entender a realidade de cada espaço para que tanto a rede privada quanto a pública volte com as aulas presenciais, obedecendo todos os protocolos de Segurança com relação a COVID-19. A audiência foi aberta pelo vereador e professor Veranilson, propositor do momento de debate, que foi realizado de maneira híbrida, com a participação de convidados e vereadores de maneira remota e outros presencialmente, no plenário Prefeito Inácio Bezerra.

Facultada a palavra, o representante das escolas privadas, Jadson Araújo explanou a importância destes espaços estarem abertos, pois se preparam para a nova realidade, oferecendo um protocolo de Segurança adequado para receber os alunos.

O secretário municipal de Educação, Sérgio André enfatizou a importância da educação ser considerada como um serviço essencial, pois é muito importante para sociedade e para as crianças. Ele fez um chamamento para uma discussão mais ampla compreendendo as consequências ocasionadas pela falta de frequência no âmbito escolar e a superlotação em consultórios públicos.

” Caicó tem 31 escolas municipais e é lamentável que em 1 ano a gestão passada não tenha preparado os ambientes escolares para esse retorno. A nossa rede municipal está em processo de construção, com um planejamento de trabalho pronto para voltarmos com segurança, de forma gradativa, com ensino híbrido, até que possamos voltar de forma 100% presencial”, disse o secretário Sérgio André.

A diretora da 10ª Diretoria Regional de Educação Cultura e Desportos (DIREC), Suênyra Nóbrega falou sobre o direito a educação e o compromisso de tentar dar acesso a todos. Ela disse que as escolas estaduais estão prontas para receber o ensino híbrido mas que não pode passar por cima da necessidade de cuidar da vida das pessoas.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SINDSERV), Thiago Richard solicitou que ao final da reunião seja elaborado um documento solicitando a inclusão dos trabalhadores no clube prioritário de vacinação, além do aumento auxílio emergencial para os brasileiros.

Representando o SINTE/RN, a professora Danyelle Guedes defende que as aulas presenciais só sejam retomadas após a imunização de todos os alunos e profissionais da educação. Além disso, disse que a luta do momento é pelo auxílio emergencial, pois não adianta o retorno das aulas sem ter a imunização e nem sequer o que comer em suas casas.

O vereador Andinho Duarte (PSC) defendeu o debate pertinente mas está preocupado com a alta taxa de transmissibilidade da doença em todo o Brasil, mas que esse retorno seja feito de maneira híbrida e com a vacinação de todos que trabalham no ambiente escolar. Já o vereador Max Azevedo (Solidariedade), sugeriu que o presidente Ivanildo do Hospital crie uma Comissão Especial para que acompanhe a situação da Educação diante da Pandemia. O presidente Ivanildo do Hospital enalteceu o debate, mas defendeu que as famílias também sejam ouvidas diante de todo o contexto.

O prefeito Dr. Tadeu, que também participou da audiência pública, disse que as escolas municipais vem realizando um trabalho zeloso no sentido da retomada das aulas para 2021. No entanto, a discussão travada internamente é no sentido dela ser retomada presencialmente ou não, uma vez que hoje, do ponto de vista sanitário, não existe condições de oferecer segurança nem para os alunos e tão pouco, para os profissionais de educação. Tadeu disse ainda que a gestão vai fiscalizar os protocolos de segurança adotados pelas escolas privadas, pois entende que a prioridade no momento é por vidas.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Mais Notícias

Skip to content